Tópicos
    MOV.CAPITÃES / MFA - CONSPIRAÇÃO / Preparativos Operacionais - Ordem Operações [De 1973-01-01 a 1974-04-24]
     Períodos
Galeria Multi Média
 
 
Movimento dos Capitães. Comissões.
Reunião alargada da direcção da Comissão Coordenadora em casa de Otelo Saraiva de Carvalho. É sugerido o estudo da situação das forças militarizadas, GNR, PSP e GF, bem como da Legião Portuguesa (LP) e da DGS, por ser evidente que se oporiam ao Movimento em caso de confrontação.


1974 
Fevereiro, 3 
 

 
Forças Armadas. Prevenção Rigorosa.
Entrada das Forças Armadas em prevenção rigorosa, facto que não se registava desde 1961.


1974 
Março, 9 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Reunião do Movimento de Oficiais onde se decide atribuir a responsabilidade operacional a Otelo e a política a Vítor Alves, e preparar rapidamente um plano de operações.


1974 
Março, 11 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Reunião de alguns militares, em casa de Casanova Ferreira, para elaborar um «Plano de Operações». Presentes Otelo Saraiva de Carvalho, Casanova Ferreira, Manuel Monge, José Maria Azevedo, Geraldes, Luís Macedo e Garcia dos Santos.


1974 
Março, 12 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Reuniões de Otelo com os oficiais da EPC e dos paraquedistas, que recusam o plano de operações apresentado, por o considerarem muito incipiente; os paraquedistas ficam responsáveis pela elaboração de um novo plano, num prazo de dez dias.


1974 
Março, 13 
 

 
Movimentação Militar,
Reunião não preparada de alguns elementos do Movimento que tentam coordenar as acções das unidades, mas que não conseguem evitar a revolta do Centro de Instrução de Operações Especiais de Lamego.


1974 
Março, 15 
 

 
Pronunciamento das Caldas.
Os capitães do Regimento de Infantaria 5, das Caldas da Rainha, tomam o comando do Quartel e de madrugada avançam sobre Lisboa, sob o comando do capitão Armando Ramos. É a única unidade a sair, numa acção descoordenada e na sequência da qual são presos cerca de duzentos militares, entre os quais Almeida Bruno, Manuel Monge, Casanova Ferreira, Armando Ramos e Virgílio Varela.


1974 
Março, 16 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Reunião do Movimento na Parede. Perante a determinação do Movimento e a intransigência do Governo, conclui-se pela probabilidade de triunfo de um movimento militar razoavelmente organizado. É decidido escolher em todos os sectores da orgânica do Movimento um elemento sombra para todos os elementos em funções.


1974 
Março, 20 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Reunião de alguns membros do Movimento em casa de Vítor Alves. Presentes elementos dos três ramos das Forças Armadas: Melo Antunes, Otelo Saraiva de Carvalho, Hugo dos Santos, Almada Contreiras, Pedro Lauret. Melo Antunes dá a conhecer a primeira versão do programa político do Movimento, que merece a aprovação de todos os presentes. Devido à sua partida para os Açores, entrega nessa mesma noite o documento a Vítor Alves, para o trabalhar com o gabinete escolhido para o efeito. Combina ainda com Otelo Saraiva de Carvalho um telegrama em código que o informe do início das operações


1974 
Março, 22 
 

 
Preparativos para a transmissão da senha para início das operações.
Informação inicial prestada a Carlos Albino (que prestara serviço militar no Centro de Estudos Psicotécnicos do Exército, onde conhecera e ficara amigo de Carlos Fabião) sobre a inevitabilidade de uma senha por rádio com efectiva cobertura nacional para o arranque dos quartéis. Carlos Albino garante a transmissão no programa independente Limite de que era um dos realizadores e autores, transmitido através da Rádio Renascença para todo o território nacional.


1974 
Março, 22 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Encontro de Otelo Saraiva de Carvalho com Rafael Durão. Expirado o prazo pedido pelos pára-quedistas, estes mantêm total reserva quanto à sua participação em qualquer acção militar.


1974 
Março, 23 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Última reunião da Comissão Coordenadora do Movimento, em casa do capitão Candeias Valente. Otelo Saraiva de Carvalho assume a responsabilidade de elaborar um plano de operações e de preparar a acção a desencadear. O golpe é marcado para o período de 22 a 29 do mês seguinte. Vítor Alves fica encarregado da direcção política. Decide-se ainda interromper qualquer contacto por circular, bem como as reuniões da Comissão Coordenadora.


1974 
Março, 24 
 

 
Preparativos para a transmissão da senha para início das operações.
«Ensaio» no Coliseu (festival da Casa da Imprensa) sobre a aceitação de Grândola e sobre a reacção da Censura. O festival foi gravado e transmitido em diferido pelo Limite que a partir de então não mais usou a canção para evitar decisões inesperadas da censura (o Limite foi o único programa na história da rádio em Portugal com censura directa e contínua nos estúdios, por elemento do antigo regime para esse efeito destacado).


1974 
Março, 29 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Otelo Saraiva de Carvalho trabalha na elaboração do Plano de Operações. Para conhecer a «organização do inimigo» são preciosas as informações que Vítor Alves, Sanches Osório, Franco Charais e Costa Brás conseguem no Estado Maior do Exército, onde estão colocados. Chegam-lhe às mãos o «quadro da orgânica operacional da PSP», os «quadros da Força de Intervenção do Exército» e das «Forças de Reserva do Governo» existentes em todo o país, o «dispositivo das forças da Legião Portuguesa do Continente» e, finalmente, as mais recentes movimentações de material de guerra (incluindo meios de transmissões) pelas unidades do Exército. Obtém ainda importantes informações sobre a GNR, através de Fernando Bélico Velasco, oficial colocado no Comando Geral da Corporação.


1974 
Abril, 1 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
As unidades que vão participar no Movimento entram em estado de alerta, conforme as instruções recebidas.


1974 
Abril, 15 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
É autorizada pelo Estado Maior do Exército a montagem de uma linha telefónica militar directa entre a Escola Prática de Transmissões, à Graça, e o Regimento de Engenharia n° 1, na Pontinha, após proposta efectuada por Garcia dos Santos. Uma equipa chefiada pelo furriel Cerdoura, em trabalho extenuante, montou a linha em menos de vinte e quatro horas.


1974 
Abril, 15 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Reunião de Otelo Saraiva de Carvalho com Jaime Neves, Morais da Silva e alguns oficiais de patente mais baixa da Escola Prática de Infantaria, a fim de serem ultimados pormenores quanto às respectivas missões.


1974 
Abril, 15 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Conclusão do plano de operações do Movimento das Forças Armadas.


1974 
Abril, 16 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Início das reuniões de Otelo com delegados das unidades para distribuição das missões previstas no plano de operações (Unidades do Norte). Otelo Saraiva de Carvalho reúne-se com Eurico Corvacho e Gertrudes da Silva, aos quais distribui missões e fornece todos os elementos constantes da Ordem de Operações.


1974 
Abril, 17 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Reunião de Otelo com delegados das unidades do Sul.


1974 
Abril, 19 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Reunião de Otelo com os delegados das unidades de Lisboa.


1974 
Abril, 20 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Contactos do Movimento com elementos dos Emissores Associados de Lisboa e com a Rádio Renascença, para a transmissão de duas senhas através da rádio: «E depois do Adeus» de Paulo de Carvalho e «Grândola Vila Morena» de Zeca Afonso.


1974 
Abril, 22 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Junção do Anexo de Transmissões, elaborado por Garcia dos Santos, ao plano de operações do movimento militar.


1974 
Abril, 22 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
A partir das dezoito horas, Otelo Saraiva de Carvalho entrega aos elementos de ligação as «Instruções Finais» e o «Anexo de Transmissões», em envelopes fechados e dissimulados no jornal A Época, operação realizada no Parque Eduardo VII. Entrega ainda alguns emissores receptores, destinados a equipar as unidades que não dispunham de aparelhos apropriados para entrarem nas redes de transmissão previstas


1974 
Abril, 23 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Ao final da manhã, Álvaro Guerra, enviado por Almada Contreiras, encontra-se com Carlos Albino e comunica-lhe que o Movimento precisa de utilizar o programa «Limite», na madrugada do dia 25, para emitir o sinal de código para o desencadear das operações militares. O Movimento propõe a canção de José Afonso Venham mais cinco para funcionar como código. Carlos Albino sabe que essa é uma das músicas censuradas internamente na Rádio Renascença. Sugere outras alternativas, entre elas Grândola, Vila Morena


1974 
Abril, 23 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Distribuição das «Instruções finais para as equipas de ligação», que incluem a «Hora H» e a senha e contra senha, e do Anexo de Transmissões.


1974 
Abril, 23 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Ficam definitivamente assentes as «Instruções Finais para as Equipas de Ligação» que Neves Rosa se encarrega de dactilografar. Delas constam data e hora do início das operações (25 de Abril, às três horas da manhã), algumas alterações às missões anteriormente recebidas pelas unidades, senha e contra-senha a utilizar pelas forças intervenientes (inicialmente «Fé imensa na vitória» e «Garantia melhor futuro» passam, respectivamente, a «Coragem» e «Pela vitória») e ainda outras instruções transmitidas a algumas unidades


1974 
Abril, 23 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Reunião em casa de Vítor Crespo com a presença de vários oficiais da Armada. A Direcção do Movimento, aí representada por Otelo Saraiva de Carvalho e Vítor Alves , obteve a garantia da neutralidade dos Fuzileiros Navais.


1974 
Abril, 23 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Reunião no Regimento de Engenharia 1, na Pontinha, entre Otelo Saraiva de Carvalho, Garcia dos Santos e Jaime Neves. Fica pronto o Posto de Comando.


1974 
Abril, 23 
 

 
Preparativos para a transmissão da senha para início das operações.
Álvaro Guerra é o elemento de ligação com Carlos Albino (ambos jornalistas do diário República), a quem pede a transmissão da canção «Venham mais Cinco» no Limite de 25 de Abril. Carlos Albino pede a Álvaro Guerra para devolver a resposta de que tal canção estava proibida pela censura interna da Renascença embora a censura oficial a tolerasse. Sugeridas alternativas, entre as quais e à cabeça, a canção «Grândola».


1974 
Abril, 23 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
No início da manhã, Álvaro Guerra comunica a Carlos Albino a escolha definitiva da Grândola como senha nacional e a hora da sua transmissão no programa «Limite»: das 0h 20m para as 0h 22m. Carlos Albino contacta outro elemento da equipa do «Limite», Manuel Tomás. Por precaução e para evitar atrasos e imprevistos na emissão da senha, fazem todas as diligências necessárias à gravação de um alinhamento de programa com cerca de 10 minutos em que a leitura da primeira estrofe da Grândola aparecia ligada à leitura de outros textos. Pedem a um dos locutores habituais do «Limite», Leite de Vasconcelos, que grave esse alinhamento de textos, mas mantêm segredo sobre o verdadeiro destino dessa gravação.


1974 
Abril, 24 
 

 
MFA. Preparativos para a Acção.
Organização do posto de comando do MFA em Engenharia 1, na Pontinha.


1974 
Abril, 24 
 

 
Preparativos para a transmissão da senha para início das operações.
Álvaro Guerra novamente serve de elo de ligação de Almada Contreiras com Carlos Albino, a quem comunica a escolha definitiva de «Grândola Vila Morena» como senha para o movimento militar. Carlos Albino garante a transmissão, sem que qualquer outro elemento do Limite soubesse da decisão. Carlos Albino adquire na então Livraria Opinião, a Madeira Luís, o disco "Cantigas de Maio" para garantia, sabendo que os estúdios e escritórios do Limite poderiam ser devassados pela polícia política, a qualquer momento. Desde Dezembro de 1973, havia indícios de que a PIDE preparava o assalto dos escritórios do Limite, na Praça de Alvalade.


1974 
Abril, 24 
 

 
Preparativos para a transmissão da senha para início das operações.
Carlos Albino opta por chamar à colaboração o elemento da sua maior confiança no Limite e que era o responsável técnico e de sonoplastia, Manuel Tomás que adere por completo. Encontro decisivo com Manuel Tomás, para a execução da senha e garantia de transmissão contornando as duas censuras que o Limite enfrentava: a da Rádio Renascença e a oficial (um coronel que acompanhava as emissões em directo e visava previamente os textos). Carlos Albino e Manuel Tomás decidem sair dos estúdios para um local onde possam prosseguir com segurança o diálogo. Ajoelhados na Igreja de S. João de Brito e simulando rezar, Carlos Albino e Manuel Tomás combinam todos os pormenores técnicos da senha.


1974 
Abril, 24 
 


27 de Novembro de 2014
 

HOME  LINKS  CONTACTOS  

© 2006, Zeppelin Filmes, Lda.
Desenvolvimento: Prodigentia